A Estrada

Quantos livros de ficção fizeram de você outra pessoa? Qual título lançado neste século tem esse potencial? Qual livro você recomendaria para a gente se fortalecer nesse momento tão esquisito e crítico?

Não consigo pensar em nenhum outro que não seja A Estrada (The Road, 2006), de Cormac McCarthy. Me lembro bem da experiência da primeira leitura, há cerca de 10 anos. Por três ou quatro vezes joguei o livro para o lado, chorando feito criança, soluçando. Não me lembro de nenhum outro livro ter tido esse efeito. Sou manteiga derretida mas não tanto assim. Os trechos que me arrancaram lágrimas são muito, muito fortes. Quem conhece a história através do filme estrelado por Charlize Theron e Viggo Mortensen não viu nada. Aliás, se você não viu, dispense sem dó. Existem livros que não deveriam ser filmados nunca. A Estrada é um deles.

Como outros títulos do McCarthy, parece ser um livro de homem para homens (ainda que manteigas derretidas). Careço de uma mínima opinião feminina sobre a experiência. Dúvida principal: te mudou? Secundária: existe isso de livro de homem para homem?

Riverside

Paralamas

R.E.M.

O pitaco é livre e gratuito:

Seu email não será publicado nem mal utilizado, podes crer.

Sliding Sidebar

Sobre

junkyage s.f. última era do  antropoceno. Última no sentido de recente, corrente. Última no sentido de derradeira, saideira?

* (asterisco) s.m. 1. curinga, substituto. 2. representação lo-fi de uma flor.

Junkyage* blog à moda antiga sobre coisas que merecem ser vistas ou revistas antes que a gente foda com tudo.

Exemplos

Curador Amador

Nando Vasconcellos, cidadão de meia idade e vida inteira de amador numa cidadezinha do interior que não é Bacurau. Que pena!

Cura é copia & cola com zelo, na unha, sem algoritmos. Crio com retalhos dos outros. Algumas partes e relações são óbvias. Este todo* não surgiria em nenhum outro lugar. Nem se bilhões de macacos tentassem por dez mil anos.