O Pai de Jason Bourne

Robert Ludlum escreveu 27 livros. Suspenses cheios de ação. Nascido nos EUA, ele fica no meio do caminho entre os ingleses John le Carré e Ian ‘007’ Fleming. Não é sofisticado como o primeiro nem pop como o segundo. É um bom equilibrista. Que, em vida, merecia melhor sorte nas adaptações de suas histórias para o cinema. Ludlum teve que se contentar com filmes abaixo da média, como O Casal Osterman (The Osterman Weekend – Sam Peckinpah, 1983) e O Documento Holcroft (The Holcroft Covenant – John Frankenheimer, 1985). Não me pergunte como esses dois diretores, com boas histórias nas mãos, conseguiram fazer dois filmes tão fraquinhos.

Ludlum escreve de um jeito que facilita a roteirização. Não é um Dan Brown mas não fica longe. Ele tem duas belas conspirações que fariam muito sentido se filmadas hoje. O Arquivo de Chancellor (The Chancellor Manuscript, 1977) tem a morte misteriosa de J.Edgar Hoover – o ditador do FBI, segundo capa da Record na edição tupiniquim.

Ainda mais original é a trama de O Avanço de Aquitânia (The Aquitaine Progression, 1984). Alguns generais em pijamas resolvem colocar fogo no mundo e justificar a criação de uma nação só deles, Aquitânia. Joel Converse, um advogado, tropeça na conspiração e dá um jeito de salvar o mundo sem disparar um tiro sequer. A história é saborosa e tem ritmo a la Carré, ou seja, dá para tirar um filme legal daqui. Mas acho que ninguém vai ousar ficar espalhando esse tipo de ideia por aí.

10+ Anos

O pitaco é livre e gratuito:

Seu email não será publicado nem mal utilizado, podes crer.

Sliding Sidebar

Sobre

junkyage s.f. última era do  antropoceno. Última no sentido de recente, corrente. Última no sentido de derradeira, saideira?

* (asterisco) s.m. 1. curinga, substituto. 2. representação lo-fi de uma flor.

Junkyage* blog à moda antiga sobre coisas que merecem ser vistas ou revistas antes que a gente foda com tudo.

Curador Amador

Nando Vasconcellos, cidadão de meia idade e vida inteira de amador numa cidadezinha do interior que não é Bacurau. Que pena!

Cura é copia & cola com zelo, na unha, sem algoritmos. Crio com retalhos dos outros. Algumas partes e relações são óbvias. Este todo* não surgiria em nenhum outro lugar. Nem se bilhões de macacos tentassem por dez mil anos.